notíciasCidade

Crise congela as nomeações de 43% dos cargos

12/09/2017 9:07 AM / Eurico Cruz / Atualizado em 13/09/2017 10:40 am

A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e a crise econômica do município tem forçado a Prefeitura de Guarulhos a congelar as nomeações de cargos comissionados, tanto para atender a demanda de serviço quanto para manter a base governista unida na Câmara por meio de indicações.

Segundo levantamento desta Folha Metropolitana, com base em dados do Portal do Servidor, foram nomeados 670 dos 1.169 cargos criados em abril para atender a extinção de outros 1.941, conforme determinou a Justiça.

Apesar da redução, o custo dos nomeados ainda é alto: R$ 2.770.270,84 ao mês. Esta conta não leva em consideração cargos de alto escalão ou de gerência.

Segundo o vereador Edmilson Souza (PT), esta conta é bem maior se forem calculados cargos comissionados que não foram extintos por decisão do Tribunal de Justiça. “Para quem diz que a cidade está quebrada é um custo muito alto. Porque não fez concursos para estas funções”, disse.

Vice-líder do Governo, Geraldo Celestino (PSDB) disse que o prefeito Guti (PSB) poderia nomear alguns cargos, mas que quer economizar recursos. “Mesmo quem participa do Governo tem noção que é preciso ter controle”, ressaltou o tucano.

Foto: Lucas Dantas

SiteLock