notíciasCidade

Na contramão do País, cidade segue fechando vagas

11/09/2017 9:50 AM / Raphael Pozzi / Atualizado em 12/09/2017 9:42 am

Guarulhos fechou, em média, 13 vagas de emprego por dia em julho, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), órgão do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). As demissões superaram em 413 as contratações durante o sétimo mês do ano.

O movimento vai de encontro ao registrado no Estado, onde houve uma variação positiva de 10,9 mil vagas de emprego criadas só em julho. No ano, foram 86 mil contratações a mais do que demissões. No Brasil, durante o mês analisado, houve a criação de 35,9 mil vagas. No ano, são 112 mil postos criados.

“É um momento de ajuste, as empresas, de um modo geral, estão com os mercados começando a se encaixar para o segundo semestre”, explicou o economista Antônio Azambuja, professor das faculdades Anhanguera e Sumaré. A explicação para que a cidade ainda não tenha deslanchado é a de que ela é muito ligada às indústrias, último setor que sentirá a melhora na economia.

“Em Guarulhos, é preciso ser feito um forte trabalho para que aquelas ameaças de evasão das indústrias não se tornem realidade”, disse Azambuja. “Neste sentido, acredito que estamos caminhando bem, afinal, algumas grandes empresas até abriram as portas aqui”, disse. Anteontem, a Johnson & Johnson Medical Devices, por exemplo, inaugurou no município as instalações do seu maior centro de distribuição na América Latina.

Serviços andam mal das pernas

A ocupação que teve menor saldo, ou seja, mais demitiu do que contratou, foi a de cuidador de saúde, com nenhuma admissão e 353 desligamentos. Logo abaixo, ficaram os operadores de telemarketing, com 196 profissionais contratados e 291 demitidos, o que resultou em um saldo negativo de 95 vagas no estoque.

Já a profissão campeã no saldo foi alimentado de linha de produção: foram 513 admissões e 395 desligamentos, ou seja, houve a criação de 118 postos de trabalho. A vice foi ajudante de motorista, com 248 contratações e 179 demissões, com 69 vagas criadas.

Resultados negativos

Este foi o terceiro resultado negativo seguido da região. Em maio, houve queda de 55 postos de trabalho, enquanto em junho esse número chegou a 990 cortes. Apenas abril registrou alta, com as contratações superando as demissões em 321 vagas.

Quando uma vaga surge, vários guarulhenses disputam a contratação (Foto: Lucas Dantas / Arquivo FM)

SiteLock