notíciasDestaque Opinião

Ponto de Vista – 100 dias de governo

17/04/2017 9:17 AM / Devanildo Damião / Atualizado em 17/04/2017 9:17 am

As funções precípuas da administração envolvem planejar, organizar, liderar e controlar, sendo viável estabelecer pontos de análise no processo. Na administração pública convencionou-se utilizar os 100 primeiros dias como primeiro ponto de análise. Logicamente, com o agravo da complexidade da herança de 5.844 dias de visão política, social e ética divergentes. Um preceito limitante da ação é a mudança cultural, dependente do variável tempo, em outras palavras, o funcionalismo na maioria foi moldado com visão diferente da nova proposta.

Soma-se a isso, o processo de conhecimento da máquina, a qual implica na submissão ao padrão burocrático, e a natural acomodação das pessoas de confiança aos cargos de confiança.

Por fim, os segredos de contabilidade, as caixinhas de surpresas, que via de regra, constituem-se em dispêndios financeiros inesperados e a demanda pública crescente, que aumenta alinhada ao grandioso tamanho da nossa população.

Os elementos listados não deixam dúvidas que os desafios são inúmeros, mas, transponíveis e gerenciáveis. Um dos aspectos refere-se ao tamanho da máquina pública, ela não pode ser mínima na perspectiva que não atenda aos anseios sociais e máxima para acomodar desvios de finalidade.

Para avaliação a sensibilidade induz a importância de reconhecer não resultados, mas, os processos e visão orgânica. Pode-se considerar que o saldo é positivo do governo Guti, destacam-se a atuação da Secretaria de Trabalho, do Meio Ambiente, Segurança, de Obras, do SDU e Jurídico, dentre outras.

Em especial a linha de atuação da Secel, comandada pelo Vice-Prefeito Alexandre Zeitune, a qual é um ótimo paradigma a ser observado pelas demais secretarias. Frisa-se a aproximação com a sociedade para participar das discussões dos problemas complexos, ações concretas e rápidas, e liderança de equipe qualificada.

A grandiosa Guarulhos, com inúmeros e históricos problemas sociais, demanda projetos bem estruturados, visão avançada de municipalidade e governo atuante.

Devanildo Damião é mestre e doutor em Gestão Tecnológica pela USP

SiteLock