notíciasDestaque Opinião

Ponto de Vista – Acefalia por exonerar seu vice

04/10/2017 9:43 AM / Antonio C. Frizzo / Atualizado em 04/10/2017 9:43 am

Será difícil a gestão do prefeito de Guarulhos Guti (PSB) “encontrar melhor resultado para a cidade” sem a colaboração direta e eficiente do vice-prefeito Alexandre Zeitune (Rede). A exoneração de Zeitune deixa acéfala uma administração que após nove meses ainda não deu nenhum sinal plausível do motivo de ter ganhado a eleição. Aliás, nem ensaiou um “gente, agora somos nós”. Prevalece um choroso e desafinado coro lastimando a herança maldita recebida da esquartejada administração Almeida (Ex-PT, agora no PDT).

“Foi por divergência política”, declarou o prefeito Guti, ao apontar o motivo de demitir seu vice-prefeito e secretário, que acumulava as pastas da Educação, Cultura, Esporte e Lazer. Zeitune, por sua vez, lamentou a lentidão nas denúncias sobre os esquemas de corrupção dentro da própria Prefeitura. “As denúncias que nós fizemos não andaram. E quando a questão é corrupção temos que resolver logo o assunto”, disse frustrado o vice-prefeito, que permanece no cargo, mas longe das decisões de governo.

Há anos conheço Zeitune. Diversas vezes somamos esforços em encontros de formação política e administração pública. Estudioso e profundo conhecedor dos entraves na administração pública, mostrava-se inovador ao rever contratos, refazer orçamentos e, de modo transparente, dialogar com setores do empresariado. Sua ausência na linha de frente do governo poderá complicar ainda mais o caos na gestão pública.

Torna-se mais difícil, na antiga aldeia de Nossa Senhora da Conceição dos Maromomi, realizar as promessas da vitoriosa campanha, sem uma equipe de bons gestores. No desejo de ajudar, fui buscar no baú cinco delas: “abrir as escolas municipais nos 360 dias do ano e contratar novos profissionais”; “abertura das unidades básicas de saúde até às 22h”; “implantação de creches noturnas”; “redução de impostos para a pequena e microempresa” e “garantir passe livre para todos os estudantes”. Já diziam os antigos: “O querer não é poder”.

Antonio C. Frizzo é padre e assessor das pastorais sociais

E-mail: acfrizzo@uol.com.br

SiteLock