notíciasMundo

Novo terremoto leva pânico para Centro da Itália

31/10/2016 10:19 AM / Agência Brasil / Atualizado em 31/10/2016 10:19 am

Um novo terremoto de 6,5 graus na escala Richter causou pânico e muita destruição nas cidades da região central da Itália ontem. Segundo dados do Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia (INGV), o epicentro do tremor ocorreu na região da Úmbria, entre Norcia, Preci e Castesantangelo sul Nera, e teve apenas 10 quilômetros de profundidade, considerado muito raso.

A intensidade do sismo foi sentida em todas as partes do território italiano, levando a centenas de pedidos de ajuda aos bombeiros até mesmo em Roma. A Basílica San Paolo, da capital, sofreu danos em sua estrutura.

A região vem sendo constantemente atingida por tremores menores desde o dia 24 de agosto, quando um tremor de 6 graus atingiu a cidade de Amatrice. Desde então, quase 20 mil sismos foram registrados, mas a maioria tinha intensidades considerada baixa, abaixo dos 3 graus.

No entanto, na quarta-feira, dia 26, dois terremotos de 5,4 e 5,9 graus atingiram as regiões de Marcas, Úmbria e Perugia e levaram danos enormes para as pequenas comunas locais. Ontem, um novo terremoto, de 4,2 graus na escala Richter, atingiu a mesma região, no centro da Itália.

Desde 1980, maior tremor no país

O terremoto de 6,5 graus na escala Richter ocorrido ontem na Região Central da Itália foi o mais forte registrado no país desde 1980, quando um violento tremor atingiu a cidade de Irpínia. Naquele ano, mais de 280 mil pessoas ficaram desabrigadas e mais de 2,9 mil morreram. No caso de ontem, no entanto, foram registrados apenas feridos.

A intensidade do tremor foi sentida em todas as partes do território italiano, ocasionando centenas de pedidos de ajuda aos bombeiros até mesmo em Roma. A região vem sendo constantemente atingida por tremores menores desde o dia 24 de agosto, quando um tremor de 6 graus atingiu a cidade de Amatrice e deixou 298 pessoas mortas. Desde então, quase 20 mil sismos foram registrados.

Dez mil desabrigados

Até o fechamento desta edição havia relatos de dezenas de feridos, mas ainda sem a confirmação de vítimas fatais, segundo informou o chefe da Defesa Civil, Fabrizio Curcio. A maior parte dos feridos, no entanto, não registra gravidade. Milhares de pessoas saíram em pânico às ruas das cidades italianas e teme-se que até 10 mil fiquem desabrigadas por causa do novo tremor.


SiteLock